A ENGENHARIA DE MATERIAIS é a área do conhecimento humano que está relacionada à pesquisa, ao desenvolvimento, à produção e à utilização de materiais com aplicação tecnológica.

Apesar das áreas de Engenharia Metalúrgica e Química contarem há tempos com cursos para formação de Engenheiro Metalúrgicos e Químicos, a área de Materiais como um todo passou a contar com formação de pessoal em nível de graduação somente a partir de 1.970; e sua ocupação, que antes era confiada a Engenheiros Metalúrgicos, Mecânicos, Químicos, Civis e outros, passa agora a contar com um profissional mais adequado.

O Ministério do Trabalho, por intermédio do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia-CONFEA, baixou a Resolução no 241/76 em 31 de julho de 1.976 publicada no Diário Oficial da União de 18 de Agosto de 1.976, à folha 3.298, Seção I - Parte II; estabelecendo as atribuições do Engenheiro de Materiais, como segue: "Compete a esse profissional supervisão, estudo, projeto, especificação, assistência, consultoria, perícia e pareceres técnicos; ensino, pesquisa, ensaio, padronização, controle de qualidade; montagem, operação e reparo de equipamentos e outras atividades referentes aos procedimentos tecnológicos na fabricação de materiais para a indústria e suas transformações industriais; e equipamentos destinados a essa produção industrial especializada, seus serviços afins e correlatos".

A Engenharia de Materiais integra a Modalidade Industrial de Engenharia na qual se incluem as Engenharias Aeronáutica, Mecânica, Industrial, Metalúrgica, de Minas, Naval, de Petróleo, Química, de Tecnologia de Alimentos e Têxtil. O Currículo do Curso de Graduação em Engenharia de Materiais está incluído entre as seis grandes áreas de Engenharia como estabelecido pelo Processo no 8.877/74 do Conselho Federal de Educação, aprovado em 02 de dezembro de 1.975, de acordo com o parecer no 4.807/75 da Comissão de Especialistas de Ensino de Engenharia. Esse Currículo é provisoriamente baseado em duas áreas tradicionais, Metalurgia e Química, e o aluno desse curso pode ter ênfase em Metais, Cerâmicas e Polímeros. A base científica em Matemática, Física, Química e Ciência de Materiais é indispensável para a sua formação.

Essa nova categoria está cumprindo uma função fundamental no desenvolvimento de novas tecnologias dentro das metas do Plano Básico de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Governo Federal. O mercado de trabalho se mostra bastante atraente, e muitos engenheiros de materiais ocupam posições de responsabilidade em empresas privadas e estatais, particularmente vinculadas aos setores de pesquisa e desenvolvimento. Muitos dos engenheiros trabalham em áreas relacionadas com materiais no campo de engenharia nuclear, petroquímica, eletroeletrônica, engenharia biomédica, Indústrias de transformação, mecânica, aeronáutica, dentre outras. Após o término do curso, a maioria dos formandos do curso de Engenharia de Materiais do DEMa já sai com emprego garantido, muitas vezes nas empresas onde desenvolveram seus estágios.

Uma das particularidades do curso de Engenharia de Materiais da UFSCar é o oferecimento pioneiro de um estágio semestral supervisionado obrigatório como disciplina curricular, proporcionando ao aluno treinamento em condições reais de trabalho não reprodutíveis na Universidade. Esse estágio se originou no PROJETO INTEGRAÇÃO ESCOLA - EMPRESA - GOVERNO (PIEEG), do então Ministério da Educação e Cultura. Pelo Guia do Estudante 2.002 da Editora Abril publicado em agosto/2.001 esse curso foi avaliado como EXCELENTE (cinco estrelas) sozinho dentre os dezesseis cursos dessa carreira oferecidos no Brasil, e pelo 19o Ranking Playboy publicado em setembro/2.000 o curso foi avaliado em 1o lugar sozinho dentre os quinze cursos homônimos brasileiros. O Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais da UFSCar iniciou o oferecimento do curso de Mestrado a partir de 1.979 e de Doutorado a partir de 1.987, nas áreas de concentração Metalurgia, Cerâmica e Polímeros como consolidação do curso de graduação. Recebeu o conceito máximo 7 da Capes-MEC referente ao período entre 1.998 e 2.000.


Atuação do profissional
Engenheiro de Materiais pesquisa materiais e processos; desenvolve produtos e aplicações, tanto para novos materiais como para produtos já existentes. Exemplos:
        
Aços e Ligas Especiais;
Biomateriais;
Borrachas;
Cerâmicas Eletrônicas;
Cerâmicas Refratárias;
Compósitos;
Fibras Óticas;
Ligas Refratárias;
Materiais de Construção;
Materiais Nucleares;
Materiais Recicláveis;
Metais Estruturais;
Plásticos de Engenharia;
Semicondutores;
Supercondutores;
Vidros;


Mercado de trabalho
O mercado de trabalho do Engenheiro de Materiais abrange área de fornecimento de matérias-primas; indústria de transformação; prestação de serviços; assistência e consultoria; instituições de ensino, de fomento, de pesquisa e de desenvolvimento científico e tecnológico. Este se mostra bastante atraente e muitos Engenheiros de Materiais estão ocupando posições de responsabilidade em empresas privadas e estatais, particularmente vinculadas aos setores de pesquisa e desenvolvimento. Muitos dos Engenheiros formados foram treinados pelas empresas e trabalham atualmente em áreas relacionadas com materiais no campo de Engenharia Nuclear, Petroquímica, Eletro-Eletrônica, Engenharia Biomédica, Indústrias de Transformação, Mecânica, Aeronáutica, e outras. O DEMa já formou, até 2.012, mais de 1.750 Engenheiros de Materiais.

Go to top